8 de abr de 2016

Zé Roberto convoca mais do que planejado e terá de cortar 7 para Rio-20168

Zé Roberto Guimarães durante convocação da seleção brasileira de vôlei para Rio-16


O técnico José Roberto Guimarães anunciou nesta segunda-feira (04), no Rio de Janeiro, uma lista de 19 jogadoras convocadas para a temporada 2016 da seleção brasileira de vôlei feminino, que terá como principais competições o Grand Prix e a Rio-2016. O grupo é maior do que o treinador planejava, o que reflete uma série de questões com atletas (Fabíola está grávida, Léia sofreu uma lesão muscular grave, Sheilla tem atuado pouco na Turquia e Jaqueline tem um problema pulmonar, por exemplo). Com isso, ele será obrigado a fazer sete cortes no elenco até o início dos Jogos Olímpicos, em agosto.
A preparação da seleção brasileira será feita em Saquarema (RJ). Léia e Fabiana serão as duas únicas que se apresentarão nesta segunda-feira, e outras 15 atletas são aguardadas no dia 11 de abril. Fernanda Garay e Sheilla, que ainda estão em meio de temporada, devem ser integradas ao grupo apenas depois dos amistosos. Veja as convocadas:

Levantadoras: Dani Lins, Fabíola, Naiane e Roberta.
Opostas: Tandara, Sheilla e Monique
Centrais: Thaísa, Fabiana, Juciely, Carol e Adenizia.
Ponteiras: Jaqueline, Natália, Gabi, Mari Paraíba e Fernanda Garay
Líberos: Camila Brait e Léia

"Vocês sabem que eu não gosto de cortes, né? Não vamos reduzir o grupo antes porque não queremos passar por situações como tirar uma jogadora do grupo e depois precisar chamá-la de volta", disse o treinador. Em 2012, com uma dúvida entre a ponteira Natália (que foi escolhida) ou uma segunda líbero, ele deixou para fechar o elenco na vila olímpica de Londres. "Isso pode acontecer de novo, sim", completou.

Zé Roberto pode inscrever 14 jogadoras para o Grand Prix, mas a lista pode mudar a cada fase. Portanto, é possível que ele trabalhe com todo o grupo convocado. Na Rio-2016 são apenas 12 vagas – além das duas competições, a convocação desta segunda-feira servirá apenas para dois amistosos em São José dos Pinhais (PR), nos dias 27 e 29 de abril, ainda sem rival definido.

"Nós gostaríamos de trabalhar com um grupo mais reduzido, mas não podemos ficar com a conta do chá, muito em cima do número de jogadoras. Temos de pensar em vários aspectos de treinamento e de evolução técnica ou tática, mas temos alguns problemas e tivemos de tentar resolver em primeira mão. Dar oportunidade para essas jogadoras tentarem se recuperar para depois fazer um grupo definitivo. Elaboramos um planejamento de treinamento para estes quatro meses que é um pouco diferente do que fizemos nas outras vezes [ouro olímpico em 2008 e 2012]. Vamos conseguir atender esse número de jogadoras e esperamos no fim de maio ter alguma definição", explicou o treinador da equipe nacional.

Entre as jogadoras remanescentes do título de Londres-2012, a ponteira Jaqueline é uma das maiores preocupações. Além de ter feito uma temporada tecnicamente aquém do ideal, a jogadora do Sesi-SP foi internada nesta segunda-feira e ainda não sabe quando poderá se apresentar à seleção.

"Eu continuo preocupado com a Jaqueline. Hoje de manhã ela teve de passar no hospital. Ela está com um problema pulmonar. Estava marcada a apresentação dela em Saquarema, mas ela não se sentiu muito bem e está sendo avaliada neste momento no Sírio. Preocupa nesse sentido. Fisicamente a gente sempre está com atenção grande em relação a ela. É uma jogadora importante, que tem fundamentos significativos a dar para a seleção. A gente espera que ela esteja bem e que possa se apresentar o mais rápido possível", disse Zé Roberto.

Outras jogadoras, como a oposto Sheilla, tiveram temporadas atribuladas no aspecto técnico. A jogadora do Vafifbank (Turquia) chegou a criar uma rotina específica de treinamentos para estar em situação ideal para a seleção brasileira.

"Quando aconteceu o pré-olímpico em Ancara, tive oportunidade de assistir e passei quatro dias com a Sheilla em Istambul. Acompanhei os treinamentos, e a gente conversou muito sobre a preparação dela. Havia uma preocupação por ela não estar jogando, e ela sempre foi um ícone em todos os times", contou Zé Roberto. "Tenho mantido contatos semanais com ela a respeito de preparação e jogos. Notei que ela está muito voltada a disputar uma boa Olimpíada. Está se cuidando muito, dando foco à parte física, com expectativa de jogar sábado ou domingo na semifinal da Champions League", adicionou.

Fabíola também tem uma situação bem específica. A levantadora está grávida e criou um plano totalmente especial para dar à luz e recuperar a forma a tempo da Rio-2016. Ela seria a reserva imediata de Dani Lins, mas a incerteza acerca desse processo abriu espaço para Roberta (Rexona/Ades-RJ) e Naiane (Camponesa-Minas-MG).

"Sobre a Fabíola, nós estamos todos nos empenhando para que ela consiga treinar e participar. Vai depender muito do que acontecer no futuro. É necessário que seja um parto normal, ela não pode ter outro tipo de parto, e tudo tem de caminhar da melhor maneira possível para que ela tenha tempo hábil para treinamento. O tempo vai ser curto, mas por toda a experiência que essa jogadora tem a gente achou por bem tentar", encerrou o treinador da seleção brasileira.

2 de abr de 2016

Brasileira Mariana Silva é prata em Grand Prix de judô na Turquia

Mariana Silva durante o Pan do ano passado; judoca foi prata no Grand Prix neste sábado


A brasileira Mariana Silva conquistou, neste sábado, a medalha de prata no Grand Prix de Samsun, na Turquia, na categoria até 63 kg. Foi o primeiro pódio da judoca, 28ª colocada no ranking mundial, na temporada.
O melhor resultado de Mariana foi nas quartas de final, quando ela bateu a austríaca Kathrin Unterwurzacher, quarta colocada do ranking mundial, com um ippon em 19 segundos de luta. Na final, a derrota para a francesa Margaux Pinot veio apenas no golden score.
Mesmo sem o ouro, Mariana tem o que comemorar. Até o Grand Prix de Samsun, a judoca do Minas Tênis não havia passado da segunda rodada em nenhum dos três torneios disputados em 2016. Com 172 pontos de vantagem para Ketleyn Quadros, no entanto, ela segue como favorita para a vaga brasileira na categoria até 63 kg da Rio-2016.
Além de Mariana Silva, Victor Penalber, Maria Portela e Alex Pombo também entraram no tatame neste sábado. Nenhum, no entanto, conseguiu avançar ao bloco final. Na última sexta, somente Sarah Menezes chegou ao pódio com um bronze frustrante para a atual campeã olímpica, que admitiu que esperava mais da competição.
Neste domingo, Tiago Camilo, Rafael Buzacarini, David Moura, Rafael Silva e Rochele Nunes fecham a participação brasileira no Grand Prix. 

Rio-2016 vira "sombra" na decisão do principal torneio de vôlei do país



Marcado para 9h (de Brasília) do próximo domingo (03), em Brasília, o confronto entre Rexona/Ades (RJ) e Dentil/Praia Clube (MG) definirá o título da principal competição nacional de vôlei feminino na temporada 2016. Para algumas atletas que estarão em quadra, porém, a taça da Superliga não é o único sonho extremamente próximo.
Na segunda-feira (04), pouco mais de 24 horas depois da decisão, o técnico José Roberto Guimarães divulgará convocação para a temporada 2016 da seleção brasileira e vai encaminhar a montagem do grupo que representará o país nas Olimpíadas do Rio de Janeiro.
A composição da lista final para os Jogos tem apenas três grandes incógnitas, e a expectativa criada em torno disso terá reflexo direto no duelo previsto para o ginásio Nilson Nelson.

Do time que o Rexona deve mandar à quadra no domingo, a líbero Fabi, 36, é a única que não vive tensão sobre a lista de segunda-feira. Titular da seleção em dois ciclos olímpicos vitoriosos (2008 e 2012), a jogadora se despediu da equipe nacional em 2013. As outras titulares da equipe carioca (Gabi, Natália, Carol, Juciely, Monique e Roberta) sonham com uma lembrança de Zé Roberto.

"Ano olímpico é especial. Quem já figura na lista há algum tempo, como a [ponteira] Natália ou a [ponteira] Gabi, já tem uma coisa diferente. Imagina então para quem pode viver esse momento pela primeira vez. É a temporada em que todo mundo quer dar trabalho para o Zé Roberto", disse Fabi.

Roberta talvez seja representação mais clara dessa dupla ansiedade. A levantadora de 26 anos já foi reserva de nomes como Dani Lins, Fernanda Venturini e Fofão no Rio de Janeiro e passou grande parte da atual temporada no banco da norte-americana Courtney Thompson. Entrou no lugar dela no segundo confronto da semifinal contra o Vôlei Nestlé/Osasco, mudou o andamento do duelo e ascendeu à formação titular na partida seguinte.

A reserva da levantadora Dani Lins é uma das lacunas na seleção brasileira para a Rio-2016. Fabíola, favorita a essa vaga, está grávida e terá pouquíssimo tempo para se recondicionar até os Jogos. Roberta desponta hoje como maior candidata a alternativa. "Lógico que eu penso e que espero ansiosamente por essa lista, para ver meu nome lá, mas agora é um momento de final. Preciso estar focada", ponderou a atleta da equipe carioca.

Internamente, Roberta e Monique são as jogadoras do Rio de Janeiro que mais falam sobre a convocação de segunda-feira. "Por ser novidade, acho que eu converso um pouco mais. Ela também está bem apreensiva", entregou a levantadora.
O futuro de Monique nos Jogos Olímpicos, curiosamente, passa por uma companheira dela no Rexona. Natália é nome certo na lista de José Roberto Guimarães para a Rio-2016, mas é versátil e pode ocupar vaga de ponteira ou oposta.

"A ansiedade é mais para domingo. Segunda a gente vai estar de férias e pensa na lista. Um passo de cada vez", comentou Monique. A oposto fará em 2016 a primeira decisão como titular do Rio de Janeiro e enfrentará Michele, sua irmã gêmea, ponteira titular do Praia Clube.

A outra interrogação sobre a seleção para os Jogos é a terceira central. Fabiana e Thaísa, titulares da posição, serão chamadas. Carol e Juciely, ambas do Rio de Janeiro, são candidatas.
"Uma coisa que contribui muito é que a lista só sai na segunda. Ninguém vai estar animado ou frustrado no domingo. Outra questão é ter a cabeça tranquila. Tenho certeza que o Zé não vai observar só esse jogo. Ele está estudando as meninas há algum tempo", finalizou Fabi.

Tamanho da lista de segunda-feira também é um mistério

A próxima convocação da seleção ainda não é a definitiva para os Jogos Olímpicos. A lista terá as atletas que disputarão o Grand Prix de 2016 e ainda pode sofrer mutações, mas a tendência é que isso aconteça pouco.
Nos dois últimos ciclos, Zé Roberto fez convocações enxutas nessa época e mudou pouco o grupo até os Jogos. A lista desta segunda não deve ter a ponteira Fernanda Garay ou a oposto Sheilla, que estão em meio de temporada na Europa, e isso pode causar um alargamento do grupo inicial.

Guilherme Costa e Leandro Carneiro(Uol)

http://olimpiadas.uol.com.br/noticias/2016/04/02/rio-2016-vira-sombra-na-decisao-do-principal-torneio-de-volei-do-pais.htm