18 de dez de 2013

Em duelo de treinadores de Seleção, Vôlei Amil bate Unilever no Rio



Treinadores das seleções de vôlei do Brasil, Bernardinho e José Roberto Guimarães se reencontraram nesta terça-feira, no ginásio do Maracanãzinho, e o comandante do time feminino do país pouco se importou com o fato de estar longe de seus domínios. Em confronto bastante equilibrado, o Vôlei Amil precisou do set de desempate, mas desbancou o Univeler por 3 a 2, com parciais de 21/18, 14/21, 18/21, 21/14 e 15 a 9.
Sem se importar com a pressão da torcida, o Vôlei Amil contou com a força de seu ataque para sair na frente do marcador e irritar o treinador carioca Bernardinho. Com o placar apertado desde o início do confronto, a oposto Tandara encaixou uma sequência de saque impressionante no fim da parcial e garantiu o primeiro set para a equipe de José Roberto Guimarães: 21 a 18.
No segundo set, porém, a Unilever passou a ter um melhor aproveitamento no passe e conseguiu neutralizar o poder de ataque dos campineiros. Desta forma, a levantadora Fofão também pôde ter um melhor desempenho e comandou a recuperação carioca. Depois de abrir seis pontos de vantagem, a missão foi apenas administrar e fechar em 21 a 14.
A recuperação do time comandado por Bernardinho serviu de estímulo para as campineiras, que voltaram melhor para a terceira parcial. No set mais equilibrado, porém, algumas marcações confusas da arbitragem deixaram as duas equipes nervosas. A Unilever soube se aproveitar melhor da situação e buscou a vantagem nos lances finais: 21 a 18.
Com o placar do terceiro set, o time da casa parecia bem próximo da vitória, mas não foi esse o reflexo dentro de quadra. Sob o comando do experiente José Roberto Guimarães, o Vôlei Amil se apresentou de forma surpreendente, não tomou conhecimento da qualidade do adversário e devolveu o placar do segundo set. Com 21 a 14 no marcador, o tie-break estava garantido.
Já no set de desempate, o Vôlei Amil seguiu avassalador. Se o torcedor carioca esperava um poder de reação de sua equipe no tie-break, o que se viu dentro de quadra foi um time desencontrada, sem conseguir parar o forte ataque campineiro. Desta forma, os visitantes fecharam o jogo em 15 a 9.
Confira os resultados desta terça-feira pela Superliga Feminina:
Brasília Vôlei 3 x 1 Sesi-SP
São Bernardo Vôlei 3 x 2 Minas Tênis Clube
São Cristóvão Saúde/São Caetano 3 x 0 Rio do Sul/Equibrasil (SC)

Gazeta EsportivaGazeta Esportiva

10 de dez de 2013

Thaísa brilha contra Vôlei Amil e garante invencibilidade do Osasco

Thaisa teve uma pontuação rara no vôlei Foto: João Pires/ Fotojump / Divulgação
Thaisa teve uma pontuação rara no vôlei
Foto: João Pires/ Fotojump / Divulgaçã
A Superliga Feminina de Vôlei ainda tem uma equipe invicta: o Molico Osasco. A equipe da Grande São Paulo venceu o Vôlei Amil na noite desta segunda-feira por 3 a 2, com parciais de 21/14, 20/22, 21/18, 19/21 e 17/15, e chegou a sua nona vitória em nove jogos.
O grande destaque da partida foi Thaísa, que alcançou um raro "duplo-duplo", isto é, dois dígitos em dois fundamentos diferentes. Foram 15 pontos de ataque e 10 de bloqueio, além de três pontos de saque, que fizeram dela uma das maiores pontuadoras da partida, com 28 bolas viradas.
Do lado campineiro, quem brilhou foi Tandara, que fez os mesmos 28 pontos, sendo 26 de ataque, um de bloqueio e um de saque.
Mesmo com a Arena Amil tomada pela torcida campineira, o Osasco não se assustou e impôs um ritmo de jogo muito forte na primeira parcial, abrindo 7 a 1 logo no início do set. Campinas se recuperou, chegou a ficar apenas dois pontos atrás, mas viu as visitantes abrirem novamente antes de fecharem a parcial em 21 a 14.
O segundo set foi mais equilibrado e a equipe da Grande São Paulo errou muitos saques, dando a chance às anfitriãs de se recuperarem sempre que abriam vantagem no placar. Assim, o time de José Roberto Guimarães salvou um set point e empatou a partida, fechando a parcial em 22 a 20.O equilíbrio se manteve na terceira parcial, mas os detalhes fizeram a diferença no final a favor das visitantes, que fizeram 21 a 18 e ficaram à frente no placar novamente.
O quarto set também foi marcado pela igualdade. Osasco liderou grande parte da parcial, mas viu as anfitriãs virarem nos últimos pontos e vencerem com um toque na rede da italiana Bosetti: 21 a 19.
No set desempate, o Vôlei Amil chegou a fazer 3 a 0 após uma sequência de dois pontos de saque de Natália. Porém, O Osasco buscou o empate e a virada, fazendo 14 a 13 após um ace de Thaísa. O Campinas buscou o 15 a 14 no placar e teve a chance de fechar, mas não o fez. Após o empate das osasquenses, um bloqueio de Bosetti e um ponto de saque de Sheilla definiram o placar final: 17 a 15.
Na próxima rodada, enquanto o Vôlei Amil recebe o Maranhão, o Osasco também joga em casa, mas contra o Uniara.
Gazeta EsportivaGazeta Esportiva

24 de nov de 2013

Brasil titubeia outra vez, mas vence Itália no tie-break e é tetracampeão








O Brasil é campeão da Copa dos Campeões de vôlei pela quarta vez na história. O time de Bernardinho venceu na madrugada deste domingo a Itália por 3 sets a 2, parciais de 25/22, 25/22, 23/25, 20/25, 15/11. Assim como foi contra a Rússia, os brasileiros venceram os dois primeiros sets e cederam o empate, porém o resultado no set decisivo foi diferente.
Com esta vitória, o Brasil chegou a 12 pontos após conquistar quatro vitórias e perder apenas um jogo, vencer 14 sets e perder seis. O vice-campeão foi a Rússia, com 11 pontos, seguido pela Itália.
Este foi o 26º título de Bernardinho no comando da seleção brasileira masculina, cargo que ocupa desde 2001. Especula-se que o treinador possa ser candidato a governador do Rio de Janeiro pelo PSDB em 2014, por conta de sua filiação ao partido e intenção de Aécio Neves. Caso os boatos se concretizem, a Copa dos Campeões seria o último título do técnico neste ciclo.
Sem negar, nem confirmar, a possibilidade de entrar na política, Bernardinho segue focado no vôlei e elogiou a capacidade do seu time em reagir após o quarto revés seguido para a Rússia. "Como o grupo iria sobreviver depois da derrota de ontem (sábado) era muito importante. Voltar à quadra hoje e jogar um bom voleibol, saber resistir a tudo aquilo e vencer uma partida é algo que há de ser louvado", comemorou Bernardinho, após levantar mais uma taça.
Com uma equipe mais uma vez renovada, o técnico comemorou a estabilidade mental de seus atletas. "Muito se fala que todas as seleções estão renovadas, mas nenhuma delas carrega o peso que esses rapazes que estão aqui têm", ponderou.
 "Fico feliz pela capacidade dos jogadores que resistiram a uma batalha como a de hoje e por terem vivido tudo isso. Todas as situações vividas aqui nessa competição geraram, sem dúvida, uma experiência muito grande a esse grupo", sentenciou o treinador.
 Contra a Itália, o principal destaque foi Wallace, que marcou 28 pontos, um a mais que o italiano Zaytsev  e sete na frente de Lucão, os dois melhores pontuadores da partida na sequência.
 "Trabalhamos bastante, treinamos muito para sair com esse campeonato na bagagem e espero que esse tenha sido o primeiro de muitos títulos da nossa geração. Vencer vestindo essa camisa é sensacional", vibrou o 'artilheiro' do jogo, que pela seleção havia conquistado apenas o Pan Americano de 2011.

Uol-São Paulo

Brasil vence Itália no tiebreak e conquista o tetra da Copa dos Campeões


A Seleção Brasileira de vôlei masculino venceu a Itália por 3 sets a 2 e conquistou o tetracampeonato da Copa dos Campeões no ginásio metropolitano em Tóquio, na madrugada deste domingo (horário de Brasília). Após vencer os dois primeiros sets, o Brasil, a exemplo do que aconteceu no jogo contra a Rússia, mostrou nervosismo e viu os italianos crescerem no jogo. A equipe comandada por Bernardinho recuperou a melhor forma só no tie-break e fechou o último set por 15/11. As outras parciais da disputa ficaram 25/22, 25/22, 23/25 e 20/25.
Esta é a sexta edição da Copa dos Campeões, que foi realizada pela primeira vez em 1993. Presente em todas as outras oportunidades, a Seleção é a maior vencedora da competição, com quatro títulos (1997, 2005, 2009 e 2013).

Russia reprise Olympic comeback with win over Brazil


Tokyo, Japan, November 23, 2013 - Russia denied Brazil a chance to clinch the gold medal with a five-set (20-25, 22-25, 25-21, 25-17, 15-9) victory on Saturday in the World Grand Champions Cup.

The result left both teams with 3-1 records in what was a rematch of the 2012 Olympic final won by Russia in similar fashion.

The match marked the first meeting ever between Brazil and Russia in the World Grand Champions Cup. It was the 60th match overall between the countries, with Brazil leading 32-28 alltime.

The South Americans came into the match knowing that a 3-0 or 3-1 victory would clinch the gold for them and took the initiative from the outset.

Dmitriy Ilinykh paced Russia with 21 points, while Dmitriy Muserskiy added 20.

Wallace De Souza led Brazil with 21. Ricardo Lucarelli contributed 14.

Both sides featured huge serves throughout the match, but Russia persevered and prevailed in the end.

After falling behind two sets, the Russians dug deep and went on the attack.

Brazil jumped out to a 5-1 lead in the opening set. A block by Muserskiy saw Brazil up 6-3. Bruno Rezende's spike sent Brazil into the first TTO with an 8-4 lead. Brazil boosted its lead to 12-5 and Russia called a timeout. Mikhaylov's block cut the deficit to 13-7. Nikolay Apalikov fired a spike long and Brazil was up 14-9. A block by Ricardo made it 15-9. Lucas Saatkamp sent a spike right down the middle and Brazil was on top 16-10 at the second TTO.

Ricardo soared for a spike and Brazil was ahead 18-12. De Souza's spike made it 20-15 for Brazil. Apalikov fired a serve long and it was 22-17. After Mikhaylov served into the net Brazil was two points from the set at 23-18. Lucas sent a spike wide and Russia moved within three at 23-20. Brazil then took a timeout. Ricardo's spike gave Brazil set point at 24-20. Brazil took the set 25-20 when a fortuitous return landed just inside the sideline mark. Mikhaylov notched seven points in the set, while Ricardo had six.

Russia established a 5-3 lead in the second set on a service ace by Muserskiy. The big man then fired another one and Brazil called a timeout. A service ace by Lucas moved Brazil within on at 6-5. A reception error allowed to Brazil to level at 6-6. Brazil led 8-6 at the first TTO. A spike by Ilinykh tied it 9-9. Brazil led 13-12 despite a service error by Ricardo. Lucas delivered a perfectly place serve for an ace and Brazil was up 15-12. Brazil led 16-12 at the second TTO.

A block by Sidnei Dos Santo put Brazil's margin up to six at 19-13. Russia then scored four in a row to make it 19-17. A soft return by Wallace saw Brazil in front 21-18. Wallace rose for a spike and Brazil was two points from the set at 23-19. A block by  Muserskiy made it 23-21. Lucas then hammered a spike and it was set point at 24-21.  Muserskiy then served into the net and Brazil took the set 25-22.

Russia led 8-6 at the first TTO in the third set. Wallace pounded a spike and Brazil trailed 9-8. Another Wallace spiked evened the score 11-11. Lucas fired a service ace and Brazil moved ahead at 14-13. Mauricio Borges smashed a spike putting Brazil up 15-13 and Russia called a timeout. A return error by Russia made it 16-13 at the second TTO.

A block by Andrey Ashchev moved Russia back within one at 16-15. Russia then equalized when Wallace's spike hit the antenna. Mauricio gave Brazil back the lead 17-16 a spike that floored Muserskiy. Ricardo put Brazil up 19-18 with a spike. Wallace made it 20-19 for Brazil with a crosscourt spike. Russia retook the lead 21-20 on a spike. Muserskiy's spike made it 22-21 as Russia fought to stay in the match. Ilinykh hit Evandro Guerra with a serve as he tried to get out of the way and it was 23-21. Pavlov gave Russia the set 25-21 with a spike.

A service ace by Muserskiy gave Brazil a 5-3 lead in the fourth set. Russia was up 8-5 at the first TTO. A spike by Dos Santos pulled Brazil within one at 9-8. Wallace served into the net and Russia led 11-10. Pavlov's spike made it 14-11 for Russia and Brazil called a timeout. A block by Ilinkh put Russia up five at 18-13. Dos Santos served into the net and it was 20-15. Muserskiy crushed a spike and it was 23-16. A Muserskiy block gave Russia set point at 24-16. Russia wrapped up the set 25-17.

A spike by Ilinykh made it 5-2 for Russia as they retained the momentum from the previous two sets. Russia made it 8-4 by the changeover. Maruico's spike made it 9-5, but Russia was relentless as it drove for the line. A block by Evgeny Sivozhelez made it 12-6 and the result was all but academic. Sivozhelez made a kick save to keep a ball alive and Russia gained match point at 14-8. Wallace fired a serve long and Russia claimed the match 15-9.

23 de nov de 2013

Bernardinho admite tristeza, mas ressalta: "título está nas nossas mãos"


Sidão enfrenta bloqueio russo na derrota do Brasil na Copa dos Campeões FIVB/Divulgação
A derrota da Seleção Brasileira por 3 sets a 2 neste sábado, em Tóquio, não só foi a quarta seguida sofrida para a Rússia, como também a responsável por evitar a festa pelo tetracampeonato da Copa dos Campeões de voleibol masculino com uma rodada de antecedência. Apesar disto, após a partida, o treinador Bernadinho evitou se queixar da maneira como o tropeço foi amargado e preferiu exaltar a proximidade da equipe verde e amarela em conquistar mais um título.

 "É triste perder para a Rússia, mas o título está nas nossas mãos. Continuamos na frente e temos que ganhar amanhã. Estar no lugar mais alto do pódio é a nossa intenção aqui nesse campeonato", declarou o comandante, que neste sábado, sofreu uma derrota que dói muito mais pela maneira como aconteceu, do que pelas consequências que podem acarretar na tabela de classificação. Isto porque a sua equipe esteve muito perto da vitória.

 Começou o jogo de maneira arrasadora e abriu dois sets de vantagem sobre o russos, com parciais de 25/20 e 25/22. Na terceira etapa, chegou a ter três pontos de frente, mas viu o gigante Dmitriy Muserskiy brilhar e liderar a virada, para fechar em 25/21. O quarto e quintos sets, por sua vez, foram completamente dominados pelos europeus, que não tiveram nenhuma dificuldade para encerrar a partida com 25/17 e 15/9.
"A Rússia teve méritos, mas foi um jogo bem jogado. Serve como lição. Fizemos dois sets espetaculares, o terceiro foi igual até o final e as mexidas deles surtiram efeito", concluiu Bernardinho, que foi acompanhado pelo oposto Wallace - maior pontuador do Brasil com 21 acertos: "Óbvio que a derrota dói, mas temos a oportunidade de chegar ao primeiro lugar amanhã (domingo) e vamos buscar esse resultado", declarou o oposto. Além de impedir o tetracampeonato da Copa dos Campeões, a derrota deste sábado aumentou o jejum dos comandados de Bernardinho diante da Rússia.

Agora, são quatro tropeços seguidos para a seleção do leste europeu no período de um ano.Três deles, aliás, em momentos decisivos (além do desta manhã, o da final olímpica de 2012, em Londres, e o da decisão da Liga Mundial de 2013, em Mar del Plata). A Seleção Brasileira volta à quadra pela Copa dos Campeões neste domingo, às 01h10 (de Brasília), diante da Itália, em confronto válido pela última rodada do torneio. O selecionado verde e amarelo precisa de uma vitória simples para garantir o título, que, por outro lado, irá se transformar em vice-campeonato em caso de derrota sem tie-break.

22 de nov de 2013

Bernardinho valoriza primeiro set contra Japão: “Brilhante"

Embalado na disputa da Copa dos Campeões masculina de vôlei nesta temporada, o Brasil se manteve invicto na competição intercontinental ao triunfar por 3 sets a 0 sobre o Japão, com parciais de 25/17, 25/23 e 25/18, nesta sexta-feira, no Ginásio Metropolitano de Tóquio. O desempenho da Seleção diante do time asiático empolgou o treinador Bernardinho, que exaltou o ritmo de jogo dos atletas nacionais.
"O Brasil fez um jogo brilhante no primeiro set. Sacamos bem, jogamos bem taticamente, defendemos, tivemos bom contra-ataque, então foi realmente uma parcial irrepreensível. No segundo, o Japão teve mérito, sacou muito bem e complicou nossa vida. No terceiro, cometemos muitos erros, principalmente no começo, e isso não pode acontecer nos próximos jogos, contra Rússia e Itália", afirmou o técnico.
Na partida desta sexta-feira, a equipe verde-amarela entrou com uma novidade na escalação titular em relação ao time que triunfou sobre Irã e Estados Unidos nas rodadas iniciais. O ponteiro Lipe foi colocado por Bernardinho na vaga de Lucarelli e, com 12 pontos, foi quem mais teve êxito no ataque do Brasil.
"Foi muito importante contar com o Lipe e com o Eder, que mostraram a condição de ser uma opção. O Lucarelli estava com pequeno desconforto muscular, achamos por bem poupa-lo nesse jogo. O Lipe entrou muito bem", encerrou Bernardinho.
Com este resultado, o Brasil chegou aos nove pontos na tabela de classificação e lidera a competição intercontinental de maneira isolada. A Rússia, com seis pontos, aparece na segunda colocação, seguida por Estados Unidos (cinco pontos), Itália (cinco pontos), Irã (dois pontos) e Japão (sem pontuar).
A equipe comandada por Bernardinho volta a entrar em quadra neste sábado, às 5h10 (de Brasília), quando mede forças com a Rússia, novamente no Ginásio Metropolitano de Tóquio. Neste domingo, à 1h10 (de Brasília), o time verde-amarelo encerra sua participação no torneio intercontinental contra Itália.

Copa dos Campeões: Brasil bate Japão em Tóquio e segue como único invicto


Seleção Brasileira bateu laternas do Japão em três sets Foto: FIVB / Divulgação









A Seleção Brasileira de vôlei masculino fez o básico para manter, na manhã desta sexta-feira, os 100% de aproveitamento na Copa dos Campeões, em Tóquio. Contra os lanternas anfitriões do Japão, a equipe de Bernardinho venceu por 3 sets a 0, parciais de 25/17, 25/23 e 25/18. O Brasil segue na liderança do torneio com a vitória – tem apenas um set perdido na competição – e tem duelo decisivo contra a Rússia na próxima rodada.
Diante de uma animada torcida local, o Brasil manteve o domínio do primeiro set e venceu com relativa tranquilidade, com parcial de 25/17. Na segunda parcial, contudo, a situação não foi tão simples: os japoneses se empolgaram e ficaram parelhos com o Brasil durante todo o set, mas no fim os brasileiros se sobressaíram: 25/23.
Mesmo contra a mais fraca seleção do torneio, o Brasil voltou a não emplacou uma sequência de pontos nos momentos iniciais do retorno para o terceiro set. O time nacional passou a se desprender no placar com o passar do tempo e fechou, desta vez sem drama, em 25/18,
A Seleção Brasileira volta às quadras neste sábado, a partir das 5h (de Brasília), contra a Rússia, em duelo que tem caráter decisivo, já que os russos são os vice-líderes da Copa dos Campeões – o Brasil tem nove pontos e a seleção europeia seis. Os comandados de Bernardinho fecham o torneio contra a Itália.
Organizada pela Federação Internacional de Vôlei (FIVB), a Copa dos Campeões reúne os campeões dos continentes, além do Japão, como país-sede, e Itália, convidada. As seis seleções (completadas por Irã e Estados Unidos) jogam em turno único e a que fizer mais pontos se sagra com o título. 

20 de nov de 2013

Bernardinho exalta equilíbrio contra EUA: “3 a 0 com cara de 3 a 2”


Embalado por vitória sobre o Irã em sua estreia na Copa dos Campeões desta temporada, o Brasil chegou ao seu segundo triunfo ao superar o Estados Unidos por 3 sets a 0, com parciais de 31/29, 25/23 e 25/23, nesta quarta-feira, no Ginásio da Prefeitura de Kyoto. Apesar do êxito em sets diretos da equipe verde-amarela, a partida foi marcada por ritmo equilibrado entre os times. Atento ao jogo, o treinador Bernardinho destacou o desempenho dos atletas.
"Foi um 3 a 0 com cara de 3 a 2. Todos os sets foram lá em cima, jogados até o último ponto, literalmente. Taticamente, o nosso time soube sair de determinadas situações de dificuldade e isso foi importante. Atuamos contra uma grande equipe e esse é um torneio equilibrado. Hoje (quarta-feira), o Irã venceu a Itália, que havia vencido a Rússia ontem (terça-feira). Esse é o cenário do voleibol masculino mundial", afirmou o técnico.
Único time invicto na Copa dos Campeões, o Brasil segue ocupando a primeira colocação na tabela de classificação da competição intercontinental, com seis pontos. Também nesta quarta-feira, a Itália sucumbiu por 3 sets a 2 diante do Irã, com parciais de 26/24, 16/25, 25/23, 23/25 e 15/12, e permaneceu na segunda posição, com quatro pontos. Estados Unidos e Irã aparecem na sequência, com três e dois pontos, respectivamente, enquanto Rússia e Japão não pontuaram.
A delegação da Seleção cumpre programação nesta quinta-feira e embarca para Tóquio, onde disputa os últimos três jogos do torneio realizado em território asiático. A equipe comandada pelo treinador Bernardinho volta a entrar em quadra nesta sexta-feira, às 8h10 (de Brasília), quando mede forças com Japão, novamente no Ginásio Metropolitano de Tóquio.
"O jogo foi muito difícil e são situações como essas que fazem o time crescer. Cinco partidas neste nível são importantes para avaliarmos como estamos. Ontem e hoje passamos alguns momentos onde o time mostrou que não se desintegrou. Essa força que o grupo demonstrou talvez seja um dos pontos mais positivos. Saber resistir a pressão e jogar taticamente foi algo muito importante. Que essa experiência nos sirva para melhorarmos ainda mais para os próximos jogos, em Tóquio", encerrou o treinador.

17 de nov de 2013

Após período conturbado, Natália comemora retorno efeitivo à Seleção





Titular na conquista do bicampeonato da Copa dos Campeões, a ponteira Natália encarou a competição como uma grande oportunidade de reconquistar um papel de destaque no elenco do técnico José Roberto Guimarães. Depois do Mundial de 2010, quando as então titulares Paula Pequeno e Mari desfalcaram a equipe devido a lesões, a atleta não havia conseguido se firmar no time principal verde-amarelo.
– Essa Copa dos Campeões foi muito importante para mim. Foi o primeiro campeonato que joguei efetivamente pela seleção desde o Mundial. Isso também me deixou muito feliz. O Brasil é o time a ser batido e conseguimos terminar esse ano vencendo todas as competições – comemorou a ponteira.
Com o título conquistado na manhã deste domingo, Natália deixa para trás um período conturbado. Em 2011, ela foi diagnosticada com um tumor benigno na canela esquerda. O processo de recuperação foi lento, e o ritmo de quem era apontada como grande nome da modalidade parecia se perder aos poucos.
Apesar de ter se recuperado a tempo de garantir uma convocação para os Jogos Olímpicos de Londres, quando o Brasil faturou o bicampeonato, a ponteria ainda se apresentava longe de sua melhor condição física e técnica. Na Unilever, naquele mesmo ano ela começou a temporada nacional devagar. Na reta final da competição, mostrou evolução rápida e foi um dos destaques da conquista em cima do Sollys/Nestlé.
Quando o pior havia sido superado, Natália teve de cumprir 60 dias de suspensão este ano por ter sido flagrada em exame antidoping com a substância 16OH-prednisolona. Em razão da pena, ela não pôde participar do Grand Prix, em agosto, também vencido pela Seleção Brasileira. Além disso, teve de desfalcar seu atual clube, o Vôlei Amil, no início da temporada.
– Merecemos comemorar esse título. Nós apresentamos uma regularidade em todos os jogos. Parabéns para todo o grupo – vibrou a jogadora.
Motivos para comemorar não faltam. Ainda mais porque a Seleção consolidou neste domingo uma campanha para lá de vitoriosa em 2013. Além da Copa dos Campeões e do Grand Prix, o time faturou os torneios de Montreux, Alassio e Sul-Americano. No próximo ano, as atenções estarão voltadas para o Mundial. O Brasil tentará seu primeiro troféu na história.

Brasil conquista o bicampeonato na Copa dos Campeões no Japão
















Se quisessem, as meninas do Brasil nem precisariam esperar até o final do duelo contra o Japão neste domingo para comemorar o título do Copa dos Campeões, já que ao vencer o 2° set do jogo já garantiram a taça. Porém, elas aguentaram mais uma parcial, bateram as japonesas na casa das adversárias por 3 a 0 (29-27, 25-14 e 25-18) e, aí sim, puderam se abraçar e vibrar com o bicampeonato da competição.
A primeira conquista da Copa dos Campeões por parte da seleção feminina havia sido em 2005 - a competição, disputada a cada quatro anos, reúne as equipes campeãs continentais, além do Japão, sede, e de mais uma seleção convidada.
O Brasil terminou a competição com 100% de aproveitamento, com 15 pontos em cinco vitórias e apenas dois sets perdidos. O Japão, que precisava ganhar do Brasil por 3 a 0 ou 3 a 1 para tentar o título nos critérios de desempate, acabou em 3°, com o bronze. O vice ficou com os EUA, que bateram durante a madrugada a República Dominicana por 3 a 1. A Rússia ficou em 4°, a Tailândia em 5° e as dominicanas amargaram a lanterna.
A partida final começou com clima de decisão: o Japão, empolgado pela torcida vibrante, chegou a abrir 6 a 1 logo de cara. O Brasil teve muito trabalho para quebrar a fortíssima defesa japonesa e só conseguiu virar o placar em 19 a 18.
O jogo seguiu empatado e as brasileiras precisaram salvar um set-point em 24 a 23. Depois, perderam uma sequência de pontos para fechar o set, mas conseguiram fechar em 29 a 27, na parcial mais disputada do jogo.
Com a derrota, as japonesas pareceram se abalar, e o Brasil ficou mais solto em quadra. Com ótimas defesas da líbero Camila Brait e com os ataques de Sheilla, eleita a melhor da partida, o Brasil segurou o ataque japonês e venceu o segundo set  por fáceis 25 a 14. Após o jogo, a central Fabiana foi eleita a melhor jogadora da competição. 
O triunfo já garantia o título brasileiro, pois derrota por 3 a 2 vale um ponto - exatamente o que o Brasil precisava. Apesar do título garantido, nada de festa.
José Roberto Guimarães aproveitou para promover mudanças e o set final começou disputado. Seguiu assim até o meio, quando Brasil abriu quatro pontos em 21 a 17.
Com ótimo aproveitamento no bloqueio (15 pontos, contra só dois do Japão no total do jogo), o Brasil fechou tranquilamente em 25 a 18.
Um dos destaques da partida, Camila Brait falou ao SporTV sobre a responsabilidade de substituir Fabi como líbero titular da seleção: "Estou muito feliz de ter feito parte do jogo final. Desde o início o plano era revezar porque estão todas cansadas da Superliga. As japonesas não deixam a bola cair, começa a irritar a gente. Mas é isso, estou muito feliz."
Após as conquistas do Grand Prix e da Copa dos Campeões em 2013, a principal competição da seleção feminina em 2014 será o Mundial. Nas duas últimas edições, o Brasil caiu na decisão para a Rússia e tentará sua primeira conquista. O torneio ocorre na Itália, entre setembro e outubro.
Além disso, para Zé Roberto, o plano vai mais longe: 2016. "Tivemos um ano quase perfeito. É de levantar a mão para o céu  para agradecer por tudo o que aconteceu. Temos batido na mesma tecla, de responsabilidade, de Rio-2016. Não podemos descuidar", afirmou o comandante da seleção

16 de nov de 2013

Brazil one step away from the crown


Tokyo, Japan, November 16, 2013 – Olympic champions Brazil moved one step closer to winning the title of the FIVB Women’s World Grand Champions Cup following their 3-1 (18-25, 25-18, 25-22, 25-19) victory over Russia on Saturday.


The win enabled the Brazilian side to stay undefeated in four outings with a total of 12 points. Russia dropped to 1-3 and four points.

The South American champions and top ranked team in the world held a 15-10 advantage in the blockings and also dominated in the aces category 9-4.

Fernanda Garay topped the balanced offence of Brazil with 17 points, including four blocks and three aces, followed by Fabiana Claudino with 14 and four blocks. Sheilla Castro and Natalia Pereira each added 13 tallies.

Natalia Mahlyk and Liubov Shashkova were the top offensive performers for Russia with 16 and 13 points, respectively.

In the other matches of Saturday, United States survived a five-set battle with Thailand and Japan beat the Dominican Republic in straight sets to maintain alive their hopes for the crown.

USA held off a resilient Thailand in five sets (13-25, 27-25, 25-22, 21-25, 15-13) to raise their record to 3-1 for seven points, while Thailand dropped to 0-4 but picked up their first point in the tournament.

Jordan Larson-Burbach led USA with 23 points, while middle-blockers Lauren Paolini and Cursty Jackson contributed 16 and 15 points, respectively, in the win. Thailand’s Onuma Sittirak had a tournament-high 28 points in the losing cause.

“It was another tough battle for us but again USA had a wonderful team effort,” American coach Karch Kiraly said. “Every one of our 12 athletes made an important contribution for our win today.”

In the nightcap, Japan scored a 25-17, 25-19, 29-27 victory over the Dominican Republic to improve their record to 3-1 with 9 points while the losers descended to 1-3 with three points.

Saori Kimura and Saori Sakoda each contributed 14 points in the victory, followed by 11 points from Yuki Ishii. Brayelin Martinez scored 12 points for the defeated side and Annerys Vargas was next with 9, including five blocks.

“Today our serve and defense were as I had expected going into this match,” Japan coach Masayoshi Manabe said. “I thought blocking the Dominicans would be hard, so I tried to get our team to have blocking and defense in sync, and in the end it worked out well.”

Brazil and Japan face each other in the last contest of Sunday with Japan needing a 3-0 victory to secure the title. USA meet Dominican Republic and Russia play with Thailand in the first two matches.

Top Scorer by Day
25 - Bethania De la Cruz of Dominican Republic v Thailand on 12-11-13
20 - Jordan Larson-Burbach of United States v Japan on 13-11-13
20 - Kelly Murphy of United States v Japan on 13-11-13
26 - Natalia Malikh of Russia v United States on 15-11-13
28 - Onuma Sittirak of Thailand v United States on 16-11-13

Top Scoring Performances
28 - Onuma Sittirak of Thailand v United States on 16-11-13
26 - Natalia Malikh of Russia v United States on 15-11-13
25 - Bethania De la Cruz of Dominican Republic v Thailand on 12-11-13
23 - Jordan Larson-Burbach of United States v Russia on 15-11-13
23 - Jordan Larson-Burbach of United States v Thailand on 16-11-13

Top Blocking Performances
6 - Iulia Morozova of Russia v Dominican Republic on 13-11-13
5 - Bethania De la Cruz of Dominican Republic v Thailand on 12-11-13
5 - Natalia Dianskaya of Russia v Dominican Republic on 13-11-13
5 - Annerys Vargas of Dominican Republic v Japan on 16-11-13

Top Serving Performances
4 - Bethania De la Cruz of Dominican Republic v Thailand on 12-11-13
4 - Saori Kimura of Japan v Russia on 12-11-13
4 - Riho Otake of Japan v Russia on 12-11-13

Top Team-Blocking Performances
21 - Russia v Dominican Republic on 13-11-13
17 - Brazil v Thailand on 13-11-13
17 - Russia v United States on 15-11-13
15 - Brazil v Russia on 16-11-13
14 - Russia v Japan on 12-11-13

Top Team-Serving Performances
11 - Japan v Russia on 12-11-13

Highest Scoring Sets
29-27 Japan v Thailand (2nd Set) on 15-11-13
29-27 Japan v Dominican Republic (3rd Set) on 16-11-13
28-26 Russia v Japan (2nd Set) on 12-11-13
27-25 United States v Thailand (2nd Set) on 16-11-13

Highest Scoring Matches
211 – United States v Thailand 3-2 (13-25, 27-25, 25-22, 21-25, 15-13) on 16-11-13
210 - United States d Russia 3-2 (16-25, 25-22, 25-19, 24-26, 15-13) on 15-11-13

De virada o Brasil ganha da Russia













A seleção brasileira feminina de vôlei tem tudo para se tornar bicampeã da Copa dos Campeões no próximo domingo. Para se tornar a primeira seleção a vencer o torneio duas vezes, pode até perder para o Japão - caso seja por 3 sets a 2 - na próxima manhã. Isso acontece porque, nesta manhã, o Brasil bateu as rivais russas, de virada, por 3 sets a 1: 18-25, 25-18, 25-22 e 25-19. As meninas do Brasil alcançaram 12 pontos, únicas com 100% na competição, e abriram mais ainda distância na liderança.
O título não veio por antecipação já neste sábado porque as japonesas bateram, por 3 sets a 0, a República Dominicana. Assim, foram a 9 pontos. Caso vençam o Brasil por 3 a 0 ou 3 a 1, empatam com as brasileiras em pontos e podem passar nos critérios de desempate.
Caso as japonesas tivessem batido as dominicanas por 3 a 2, fariam apenas dois pontos e já entregariam o título para o Brasil.
Neste sábado, pela primeira vez as brasileiras saíram atrás do placar, e logo contra aquelas que podem ser consideradas as principais rivais da seleção nos últimos anos (a Rússia é a atual bicampeã mundial, batendo o Brasil nas duas finais, enquanto as brasileiras são as atual bicampeãs olímpicas).
Porém a campanha e o vôlei superiores apresentados na competição até aqui fizeram diferença a partir do segundo set. Sem sustos, o Brasil soube fechar os três, com bom revezamento de ataque.
Fernanda Garay foi a principal pontuadora, com 17, seguida por Fabiana, com 14, e Sheilla e Natália, ambas com 13 pontos.
"Estamos felizes com o resultado. Começamos devagar, e elas nos pressionaram no serviço, bloqueio e na defesa, e foi difícil para nós. Depois ajustamos nosso sistema defensivo, sacamos bem e melhoramos nosso ataque", declarou o técnico José Roberto Guimarães após o triunfo.
Na última rodada, a partida entre Brasil e Japão encerrará a competição, com início programado para 8h.

15 de nov de 2013

EUA batem Rússia em cinco sets, e Brasil fica perto do título; Japão vence

A Seleção Brasileira pode comemorar o título da Copa dos Campeões de vôlei feminino já na próxima rodada. Isto porque os resultados deste início de manhã (em Brasília - noite, no Japão) ajudaram: as nipônicas, como já era esperado, venceram a Tailândia por 3 sets a 0, com parciais de 25/20, 29/27 e 25/22, e os Estados Unidos superaram a Rússia apenas em cinco sets, com 16/25, 25/22, 25/19, 24/26, 15/13, somando apenas dois pontos com o triunfo.
A russa Natalia Malykh foi a maior pontuadora da partida, com 26 tentos, enquanto Jordan Larson-Burbach liderou os números das norte-americanas, com 23 pontos. Porém, foi a levantadora Alisha Glass quem acabou eleita a melhor jogadora da partida. As europeias tiveram grande vantagem no bloqueio, com 17 pontos contra nove, enquanto os EUA dominaram no saque, com nove aces contra dois. Ambas as seleções somaram 24 erros.
Com o resultado, os EUA conseguiram apenas dois pontos na tabela de classificação - por terem vencido a partida no tie-break - e alcançaram cinco, atingindo a terceira colocação do torneio, a quatro pontos de desvantagem para o líder, Brasil. A Rússia, por sua vez, ganhou mais um tento e chegou aos quatro, permanecendo no quarto posto.
No outro jogo da manhã, o Japão superou a Tailândia com facilidade e subiu para a vice-liderança. A capitã Saori Kimura foi a maior pontuadora do jogo com 18 bolas no chão, e deixou as nipônicas a três pontos da Seleção Brasileira na tabela de classificação. Com isto, a equipe verde amarela pode erguer a taça da Copa dos Campeões já na próxima rodada. Basta vencer a Rússia, no próximo sábado, a partir das 8h10 (de Brasília), e torcer para que as japonesas percam para a República Dominicana no mesmo dia.

Após vitória contra dominicanas, Brasil já pensa na Rússia

Após a vitória contra a República Dominicana por 3 sets a 1, a Seleção Brasileira feminina se manteve na liderança da Copa dos Campeões com nove pontos (três vitória em três partidas). A levantadora Fabíola comentou sobre a partida contra as dominicanas.
- Esperávamos um jogo difícil. A República Dominicana cresceu muito. A chave desse jogo era sacar bem e quando isso não ocorreu elas cresceram na partida. No entanto, estou feliz pela vitória. Amanhã teremos mais um jogo difícil, disputado e cheio de rivalidade. Vamos em busca de mais um vitória - disse Fabíola.
O técnico José Roberto Guimarães já pensa na próxima partida, contra as russas. Ele elogiou a equipe europeia e todas as suas principais características.
- Agora vamos pensar na Rússia que será o jogo que todos querem ver. A Rússia tem uma das melhores seleções do mundo. O treinador delas está tentando acertar o sistema de jogo e trouxe a Sokolova de volta. Ela é uma grande jogadora que eu conheço bastante, pois trabalhei com ela por dois anos. A Chaplina também tem se apresentado bem. É um time que tem um padrão de jogo definido e um bloqueio respeitável. Será um jogo muito difícil - disse o técnico.