28 de jul de 2012

A medalha de ouro conquistada por Sarah Menezes em Londres 2012 é importante por vários motivos. É a primeira do judô feminino, a terceira do judô em geral, e a segunda de mulheres brasileiras em esportes individuais.
Mais do que isso, a medalha de Sarah é reflexo de um Brasil que dá certo.
Sarah Menezes exibe a medalha de ouro conquistada neste sábado no judô feminino. Foto: AFP Como mostraram posts desta semana aqui no Esporte Fino, a medalha de Sarah não foi uma surpresa.
Ela chegou como uma das favoritas, se superou quando mais precisava e conquistou o ouro.
Parecia, não uma brasileira, mas uma atleta dos Estados Unidos.
No pódio, estava claramente feliz, mas não tinha aquela alegria quase desesperada de quem luta “contra tudo e contra todos”, como estamos acostumados.
Sarah, aos 22 anos, faz faculdade, tem boa estrutura para treinar, tem três patrocínios privados e recebe o Bolsa Atleta, do governo federal. Tudo o que sempre exigimos.
Atual campeã Olímpica, a Seleção Brasileira feminina de vôlei começa o caminho rumo ao bi neste sábado, às 18h (horário de Brasília), contra a seleção da Turquia, no Centro de Convenções Earls Court, em Londres (ING).
Além de Turquia e Brasil, o grupo B conta com Estados Unidos, China, Sérvia e Coreia do Sul.
No torneio olímpico os times se enfrentam dentro de seus grupos e os quatro melhores de cada chave se classificam para as quartas de final, cujos confrontos são definidos pelo cruzamento (1ºA x 4ºB, 2ªA x 3ºB, 1ºB x 4ºA e 2ºB x 3ºA).
Os vencedores passam à semifinal e posteriormente se enfrentam em busca de uma vaga na grande decisão.
O vôlei é, ao lado da vela, é o esporte que mais trouxe medalhas olímpicas para o Brasil. São16, sendo sete na quadra e nove na praia. No feminino são dois bronzes (Atlanta-1996 e Sydney-2000) e um ouro (Pequim-2008).
Todos os jogos do Brasil na primeira fase de Londres-2012 (com os horários de Brasília)
28/7 - 18h - Brasil x Turquia
30/7 - 12h45 - Brasil x Estados Unidos
1/8 - 18h - Brasil x Coreia do Sul
3/8 - 5h30 - Brasil x China
5/8 - 18h - Brasil x Sérvia

Londres 2012_Calendário

Clique na imagem para vê-la ampliada

26 de jul de 2012

Natália segue na Olimpíada; Camila Brait está fora

O técnico da seleção brasileira feminina de vôlei, José Roberto Guimarães, antecipou hoje que Natália será mantida no elenco que disputará os Jogos Olímpicos, e assim, Camila Brait, que foi como "estepe" na preparação, será cortada.
Natália era a favorita para ficar com a vaga, mas teve que se recuperar de uma lesão que fez com que operasse a canela e tivesse que ficar quase um ano parada. Caso a recuperação não se confirmasse, Camila seria a escolhida.
Mas na tarde desta quarta, em Londres, Natália treinou normalmente e foi confirmada pelo treinador. “Conto com ela. Ela tem condições e é da minha confiança”, falou.
“Ela é uma jogadora diferenciada, de leitura de jogo, de velocidade. Ela tem bloqueio muito bom, a reação de defesa dela é acima do normal.
Pra mim ela é [uma fora de série]”, falou. O dia derradeiro para a decisão seria na quinta-feira.
Natália tem 23 anos e atua como ponta no Unilever/Rio de Janeiro.
Camila Brait também tem 23 anos e é líbero do Sollys/Osasco. As duas atletas nunca disputaram as Olimpíadas.
Ambas são muito amigas e embarcaram juntas, na noite de sábado, para Londres.
"Estou bem", falou Natália, que, apesar a confirmação, puxou a perna em alguns momentos no treino.

23 de jul de 2012

Vôlei masculino chega a Londres

LONDRES - Chegar a uma Olimpíada precisando dar a volta por cima não é uma novidade para o vôlei masculino do Brasil. Nem se despedir dela, depois, com medalha no peito.
Acreditando na possibilidade de uma reviravolta nos resultados recentes é que o time do técnico Bernardinho desembarcou nesta segunda-feira no aeroporto de Heathrow, em Londres.
Em 2004, o Brasil vinha de uma eliminação para a República Dominicana nos Jogos Pan-Americanos do ano anterior.
Chegou a Atenas e ficou com o ouro. Em 2008, mesmo jogando em casa a fase final, terminou a Liga Mundial fora do pódio, algo que não acontecia há uma década. Em Pequim, faturou prata.
Neste ano, novo desempenho frustrante na Liga, com eliminação antes das semifinais. "Já tivemos outros momentos de derrota.
Esse time tem condições e experiência para reverter isso", garantiu o técnico Bernardinho, no desembarque, apontando Polônia e Itália como rivais que estão em um nível acima dos demais na luta pelo ouro.
O discurso é acompanhado pelo elenco. "Confio muito no grupo para dar uma reviravolta na situação", comentou o experiente Ricardinho, de volta à seleção depois de um longe período afastado. "Nós vamos mudar a opinião geral. Estamos chegando desacreditados e vamos dar a volta por cima", garantiu Bruno.
Já Dante, veterano de três Olimpíadas, chegou a Londres garantindo que o problema no joelho que atrapalhou seu desempenho nos últimos meses está "zerado". Ele também avisou que a equipe chega com "espírito guerreiro" para os Jogos.

22 de jul de 2012

Fofão:. Experiência olímpica pode atrapalhar seleção de vôlei

Ela não foi para Londres com a seleção feminina de vôlei, mas essa não é uma grande frustração para Fofão. A melhor levantadora das Olimpíadas de Pequim-2008 optou por não retornar à seleção e, consequentemente, ficar ausente dos Jogos de 2012, apesar das tentativas do treinador Zé Roberto para que ela estivesse na equipe.
Agora, Dani Lins e Fernandinha precisarão defender o Brasil e, para Fofão, a falta de experiência das duas jogadoras em Olimpíadas pode fazer a diferença na competição.
- São duas levantadoras cujo o único problema é que essa é a primeira experiência olímpica das duas. Acho que elas vão ter que trabalhar muito o conjunto, se unir muito, que eu acho muito importante para elas terem segurança, tranquilidade para trabalhar.
Mas acho que as duas vão conseguir fazer um bom trabalho, jogar o melhor que elas sabem e tenho certeza que o grupo vai dar muito apoio - afirmou Fofão durante sua participação no "Tá na Área na Web".
Ela não diz isso sem fundamento. Ao todo, Fofão participou de cinco Jogos Olímpicos durante os 17 anos que defendeu a seleção brasileira (Barcelona-1992, Atlanta-1996, Sydney-2000, Atenas-2004, Pequim-2008).
Nesse tempo, disputou de 340 jogos com a camisa amarela e conquistou três medalhas olímpicas (ouro em 2008 e bronze em 1996 e 2000). Para ela, sua carreira foi além do esperado e deixar a seleção não a abalou.
- Foi a coisa mais tranquila que eu fiz. Lógico que foi difícil porque é uma emoção muito forte vestir a camisa do Brasil, mas eu saí satisfeita por tudo que eu fiz.
Acho que cheguei até mais longe do que eu imaginava para minha carreira.
Então, quando você termina da maneira como eu terminei, tendo sido a melhor e com a medalha de ouro, não tem como não dizer: "Missão cumprida, valeu tudo o que eu fiz. Agora eu passo meu bastão para frente".
Com a renovação, Fofão só teme pelo foco da equipe em Londres. Para ela, estar próximo dos melhores atletas do mundo causa um deslumbramento e as jogadoras precisam se concentrar nas partidas.

- Se o atleta sai do Brasil focado em buscar a medalha olímpica, ele tem um comportamento dentro da vila, se ele vai para conhecer, passear, o comportamento é diferente.
Porque lá é um deslumbramento, você vê os melhores atletas do mundo, senta no refeitório e de repente o cara do tênis está do seu lado. Na minha primeira, tive que me controlar porque o grupo era muito sério.
Então, de tarde quando todo mundo dormia, eu ia no refeitório para ver se era de verdade que eu estava lá. E em uma dessas "escapadas", Fofão revela que teve seu momento de fã. - Fui um dia andar e estava o time todo da NBA (o Dream Team dos EUA de basquete) dentro de uma sala de vidro em 1992. Acho que todo mundo faria isso. Foi muito emocionante. Quando você vai pela primeira vez é muito complicado. O que a gente fez em 2008 foi uma coisa muito interessante.
O Zé (Roberto) deixou um dia para a gente conhecer tudo, depois acabou, já começamos a pensar no treino. Você tem que focar, acho que vale muito de quem já tem uma experiência olímpica para não deixar que isso atrapalhe o grupo.
Aos 42 anos e recém-contratada pelo time do Rio de Janeiro, Fofão ainda não pensa em parar. Para ela essa será uma decisão muito natural e por isso ainda não tem planos sobre o que fazer depois de deixar as quadras.
Mas de uma coisa tem certeza, pretende passar para outras pessoas tudo que aprendeu durante sua carreira.
- Não vou pensar em parar porque ainda gosto muito do que faço e ainda tenho condições de estar em alto nível. Isso me conforta bastante. Acho que vou parar no dia que estiver acordando e falar: "Hoje eu não vou treinar".
Vai ser o dia que eu vou ligar e falar que não dá mais. Mas não planejo nada, vou deixar as coisas acontecerem, o que tiver que ser, vai ser.
Quero estar envolvida com o vôlei. Tem algumas coisas que gostaria de fazer, não quero guardar as minhas experiências só para mim.

Brasil perde para os EUA e fica com o vice na Copa Pan-americana

A Seleção Brasileira feminina de vôlei foi medalha de prata na Copa Pan-americana, na madrugada deste sábado.
Na final, o Brasil, que disputa a competição com sua equipe B, foi derrotado pelos Estados Unidos, campeões com uma vitória na decisão por 3 sets a 2, parciais de 28/30, 18/25, 25/22, 25/21 e 15/11.
"Foi uma grande partida. Depois dos dois primeiros sets pensamos que podíamos vencer por 3 a 0, mas cometemos alguns erros. Nós fizemos uma boa competição e estou muito feliz com o meu time", avaliou a central Natasha.
Com o resultado diante dos Estados Unidos, o Brasil encerrou a competição com seis resultados positivos e apenas um negativo.
A principal arma ofensiva do Brasil neste sábado foi a oposto Joycinha, responsável por 25 pontos. As ponteiras Priscila Daroit, com 23 acertos, e Gabi, com 18, foram as outras forças de ataque da Seleção.
A principal pontuadora do jogo foi a norte-americana Richards, que deixou a quadra com 25 tentos.
"Vencer é sempre muito bom. É a primeira vez em 12 anos que consigo uma vitória sobre o Brasil.
Esse time brasileiro é muito jovem, tem muito talento, e um grande futuro pela frente", disse a líbero norte-americana Stacy Sykora, que jogava pelo Vôlei Futuro.
A terceira posição da Copa Pan-americana ficou nas mãos de Cuba. Na decisão do terceiro lugar, a equipe derrotou a República Dominicana por 3 sets a 2.

21 de jul de 2012

Camila Brait e Natália chegam juntas ao embarque para Londres disputando a mesma vaga

A seleção feminina de vôlei embarca para a disputa dos Jogos Olímpicos de Londres na noite deste sábado. O técnico José Roberto Guimarães vai levar 13 atletas, apesar de poder inscrever somente 12. O último corte será feito em Londres, e a vaga é disputada entre Camila Brait e Natália.
As duas atletas são muito amigas, e chegaram juntas ao Aeroporto Internacional de Guarulhos.
Natália é a favorita para ficar com a vaga, mas tem que se recuperar de uma lesão que fez com que ela operasse a canela e tivesse que ficar quase um ano parada.
Caso a recuperação não se confirme, Camila será a escolhida.
“O tempo sem jogar não interfere na escolha de quem vai ficar com a vaga. A vontade de disputar as Olimpíadas é muito maior do que isso”, aposta Natália, que ainda diz que a decisão de José Roberto Guimarães não deixará ressentimentos: “Somos muito amigas e a escolha não vai deixar ressentimentos. Quem for, pode fazer uma réplica da medalha e entregar para a outra”.
“A gente está convivendo muito, mas evita falar sobre vôlei, até para não tocar no assunto”, revela Camila Brait. “Dá um pouco de medo viajar e ser cortada em Londres, mas Deus sabe o que faz”.
Natália tem 23 anos e atua como ponta no Unilever/Rio de Janeiro. Camila Brait também tem 23 anos, e é líbero do Sollys/Osasco. As duas atletas, que nunca disputaram as Olimpíadas, embarcam junto com a delegação brasileira para o Rio de Janeiro, onde se juntarão à líbero Fabi e à levantadora Fernandinha antes de irem para Londres.

Thaísa revela abalo no time após corte de Mari

A seleção feminina de vôlei embarcou na noite deste sábado no Aeroporto Internacional de Guarulhos para a disputa dos Jogos Olímpicos de Londres e o corte da ponteira Mari ainda não é assunto encerrado na equipe comandada pelo técnico José Roberto Guimarães.
“As meninas ficaram muito abaladas com a notícia. Foi uma semana inteira se arrastando”, disse a central Thaísa, uma das jogadoras mais experientes do elenco.
A jogadora não quis se alongar muito no assunto, mas comentou a decisão de Zé Roberto. “Acho que ele deve saber o que está fazendo”, disse Thaísa.
"A Mari, assim como todas (Sassá. Juciely e Fabíola) as cortadas, vão fazer muita falta, mas é uma opção do Zé Roberto e tem que ser respeitada", disse Paula Pequeno.
Já o treinador preferiu não voltar a comentar o assunto. “Só falo de quem está aqui e vai para Londres”, disse Zé Roberto no embarque da equipe para Londres.
Uma das jogadoras mais experientes da equipe e campeão olímpica em Pequim, em 2008, Mari foi cortada no último dia 10 de julho. A ponteira sofria com a má fase técnica e também com seguidas lesões, motivos alegados para que ela fosse excluída da equipe que disputará as Olimpíadas.

19 de jul de 2012

Calendário do torneio de vôlei dos Jogos Olímpicos

RIO DE JANEIRO, 19.06.2012 – A Federação Internacional de Voleibol (FIVB) divulgou nesta TERÇA-FEIRA (19.06) a tabela oficial do torneio de vôlei dos Jogos Olímpicos de Londres. A competição acontecerá entre os dias 28 de julho e 12 de agosto, no ginásio Earls Court.
A seleção feminina do Brasil, que defende o título conquistado em Pequim, em 2008, será a primeira a entrar em quadra, no dia 28, contra a estreante Turquia, que é comandada pelo brasileiro Marco Aurélio Motta. A equipe masculina fará sua estreia no dia 29, diante da Tunísia.
O time de José Roberto Guimarães segue a competição no Grupo B enfrentando os Estados Unidos, dia 30, a Coreia do Sul, dia 1º, a China, dia 3, e a Sérvia, no dia 5.
A equipe comandada por Bernardinho também está no Grupo B e jogará, pela ordem, contra a Rússia, dia 31, os Estados Unidos, dia 2, a Sérvia, dia 4, e a Alemanha, dia 6.
As quartas de final serão realizadas nos dias sete e oito. As semifinais estão agendadas para os dias nove e 10 e as finais estão programadas para os dias 11 e 12 de agosto.
Na primeira, fase as 12 seleções são divididas em dois grupos, com seis componentes cada. Avançam à segunda fase as quatro melhores equipes de cada fase.
CALENDÁRIO DO BRASIL NOS JOGOS OLÍMPICOS
FEMININO
28/07 – Brasil x Turquia – 18h
30/07 – Brasil x Estados Unidos – 12h45
01/08 – Brasil x Coreia do Sul – 18h
03/08 – Brasil x China – 5h30
05/08 – Brasil x Sérvia – 18h
MASCULINO
29/07 – Brasil x Tunísia – 18h
31/07 – Brasil x Rússia – 18h
02/08 – Brasil x Estados Unidos – 16h
04/08 – Brasil x Sérvia – 18h
06/08 – Brasil x Alemanha – 18h

18 de jul de 2012

Londres 2012:. Bernardinho define convocados da seleção de vôlei

O técnico Bernardinho anunciou oficialmente, nesta quarta-feira, os 12 jogadores que competirão nos Jogos Olímpicos em Londres.
O capitão Giba, que se recuperou de uma fratura por estresse, admitiu ainda não estar em sua forma ideal, mas prometeu “chegar 100% nas Olimpíadas”.
Na relação do treinador Bernardinho estão os opostos Leandro Vissotto e Wallace, os centrais Rodrigão, Lucão e Sidão, os ponteiros Giba, Murilo, Dante e Thiago Alves e o líbero Serginho.
Uma das preocupações é a saúde do capitão Giba, que se recupera de uma fratura por estresse, constatada em dezembro do ano passado.
Apesar de admitir não estar em sua forma física ideal, o ponteiro quer “chegar 100% nas Olimpíadas.
“Quando estamos lá, o organismo emite algumas substâncias que eliminam as dores”, brincou o atleta, que neste ano competirá nos seus últimos Jogos Olímpicos.
Em nota oficial divulgada pela CBV, o treinador Bernardinho admitiu que a equipe fez uma campanha irregular na Liga Mundial, mas ressalta o trabalho feito nos últimos dias, em Saquarema.
"Trabalhamos muito forte nessas duas últimas semanas, em um nível altíssimo. Estamos mergulhados nisso, pensando somente nessa Olimpíada, com o objetivo de fechar um ciclo muito bem", comentou o técnico.

Brasil na reta final de preparação para os Jogos Olímpicos

SAQUAREMA, 11.07.2012 – Depois da conquista da medalha de prata no Grand Prix, a seleção brasileira feminina de vôlei está na reta final de preparação para os Jogos Olímpicos de Londres.
No momento, 14 jogadoras treinam forte no Aryzão, o Centro de Desenvolvimento do Voleibol (CDV), em Saquarema (RJ). As brasileiras embarcarão para a cidade inglesa no dia 21 de julho.
O Brasil formará o grupo B ao lado da China, da Turquia, da Coréia do Sul, da Sérvia e dos Estados Unidos.
Estão no CDV as levantadoras Fernandinha e Dani Lins, as opostos Sheilla e Tandara, as ponteiras Paula Pequeno, Fernanda Garay, Jaqueline, Natália e Sassá, as centrais Fabiana, Thaisa e Adenízia e as líberos Fabi e Camila Brait.
O treinador José Roberto Guimarães comentou o atual momento da equipe brasileira. “Estamos em testes e o grupo ainda não se fechou. Temos até o congresso técnico para entregar uma lista final.
A situação da Natália é uma indefinição e vamos esperar até o momento final. Ela tem melhorado a cada dia, treinando normalmente e participando dos rallys. Já foi liberada para o treinamento, mas ainda precisa saltar um pouco mais”, analisou o treinador brasileiro.
A ponteira Natália agradeceu o apoio do técnico do time verde e amarelo e se mostrou otimista em participar dos Jogos Olímpicos de Londres.
“O que depender da minha cabeça, da minha vontade e da minha esperança, estarei em Londres, mas temos que aguardar esses últimos dias. Estou consciente das minhas limitações e lutando para superar as dificuldades.
Sinto uma evolução diária. O Zé Roberto tem me dado força em todos os momentos e isso me dá uma motivação a mais e segurança. No final, acho que isso pode fazer a diferença”, afirmou Natália.
Semanas decisivas
Desde que chegou da China, a seleção feminina tem o foco voltado exclusivamente aos Jogos Olímpicos. E, neste período, as jogadoras acabam tendo a necessidade de enfrentar, também, momentos delicados. Para a líbero Fabi, o importante é saber administrar as circunstâncias.
“Foram dias tensos pela expectativa dos cortes, e intensos porque temos que preparar o time para jogar. Temos que corrigir alguns pontos necessários. E, depois de ficamos tristes porque sabíamos que poderíamos ganhar o Grand Prix, vivemos uma mistura de expectativa e tensão, sem esquecemos que temos que nos preparar o máximo possível”, disse Fabi.
Há 10 anos na seleção brasileira, a líbero afirma que não se sente garantida no grupo das 12 inscritas nos Jogos Olímpicos. Após as dispensas das três primeiras jogadoras – Fabíola, Juciely e Mari – ela destaca que nenhuma deve ter total segurança. “Todas as jogadoras que estão aqui vivem essa expectativa e, ao mesmo tempo, têm que estar preparadas, já que só vamos ter essa definição mais para frente”, comentou Fabi.
E se a incerteza poderia dar um tom negativo a essas duas últimas semanas de treinamento, a oposto Tandara deixa claro que esse não é o sentimento. Aos 23 anos, a jogadora vê a chance de disputar sua primeira edição de Jogos Olímpicos e garante que está feliz,seja qual for a decisão de José Roberto Guimarães.
“Estamos ansiosas, claro, já que ainda não tem nada definido. Sabemos que duas ainda vão ter que deixar o grupo, mas a expectativa é boa. Cada uma de nós está dando tudo no treino para que dê tudo certo. Se eu estiver entre as 12, vou ficar muito feliz porque vai ser a realização de um sonho. E se eu não for, vou ficar satisfeita também. Tenho que pensar que estar entre as 14 selecionadas é algo muito bom”, finalizou Tandara.

Brasil supera México e termina primeira fase sem perder

Seleção Feminina das Novas RIO DE JANEIRO, 17.07.2012 – A seleção brasileira feminina de novas terminou invicta (5 jogos e 5 vitórias) na primeira fase da Copa Pan-Americana. Na madrugada desta TERÇA-FEIRA (17.07), o Brasil venceu o México por 3 sets a 0 (25/14, 25/9 e 25/21), em 1h02 de jogo, em Ciudad Juarez, no México.
Com a campanha da primeira fase, as brasileiras garantiram classificação direta para as semifinais ao ficarem na liderança do grupo B, seguidas pelo Peru e pela Argentina, precisarão disputar as quartas de final.
No grupo A, os Estados Unidos ficaram em primeiro lugar seguidos por Cuba e República Dominicana.
As brasileiras aguardarão os resultados das partidas de quartas de final para conhecerem o próximo adversário. O Brasil disputará a rodada decisiva às 21h desta QUINTA-FEIRA (19.07).
A central Natasha e a ponteira Priscila Daroit foram as maiores pontuadoras do Brasil, com nove acertos. Pelo lado mexicano, a atacante Isiordia marcou 15 pontos.
Para Natasha, o Brasil já tem que pensar nas semifinais. “Nós não tivemos um bom começo mas retomamos nossa concentração e conseguimos a vitória. Estou feliz por alcançar as semifinais, e já temos que pensar nesta fase”, disse Natasha
. O Brasil jogou com a levantadora Claudinha, a oposto Joycinha, as ponteiras Gabi e Priscila Daroit, as centrais Natasha e Andressa e a líbero Suellen. Entraram durante o confronto a ponteira Samara, a levantadora Ana Tiemi, a oposto Jú Nogueira e a central Letícia Hage.

Modelos olímpicas

Está confirmado: as Olimpíadas de Londres vão acabar em desfile!
Na passarela, um time de inglesas formado por Kate Moss, Naomi Campbell, Lily Cole, Stella Tennant, Lily Donaldson e Georgia May Jagger desfilará peças de estilistas do país, como Alexander McQueen, Stella McCartney e Vivienne Westwood.
E elas trocaram o cachê milionário pra desfilar por apenas 1 libra esterlina!
Confira os esportes olímpicos da fila A!
A participação das modelos faz parte do show de encerramento dos jogos olímpicos de 2012, batizado de “A Symphony of British Music”.
No line-up, as bandas Kaiser Chiefs, George Michael, One Direction, Pet Shop Boyes, Jessie J com o Queen e até a dupla Dawn French e Jennifer Saunders - as mesmas de Absolutely Fabulous -, que vai cantar “Pretty Vacant“, do Sex Pistols, ao lado de Russell Brand, num esquete onde não deve faltar humor inglês.
Aqui na galeria tem aquecimento das tops!
Lilian Pacce -MSN

17 de jul de 2012

Última vaga do vôlei feminino vai ficar entre Natália e C. Brait

A ponteira Sassá será a última atleta cortada da seleção de vôlei feminino ainda no Brasil. Sem a jogadora, o grupo vai a Londres com 13 atletas, sendo que a última vaga vai ser definida pela capacidade recuperação de Natália. Se a jogadora não se recuperar de lesão a tempo, a líbero Camila Brait vai substitui-la. A informação foi apurada pela reportagem do UOL Esporte. José Roberto Guimarães enviou a lista de sua equipe para a FIVB (Federação Internacional de Vôlei) com Camila Brait e Sassá como possíveis substitutas em caso de lesão. Apenas a líbero, no entanto, segue com chances reais de jogar em Londres. O corte de Sassá deve ser oficializado na semana que vem. Até lá, a jogadora segue treinando normalmente no CT de Saquarema, com o restante da seleção. Nos últimos dias, o treinador conversou com Camila Brait, que era cotada até para substituir a veterana Fabi. Ele expôs a ela sua ideia e quis saber se a líbero estava disposta a viajar até Londres e correr o risco de ser cortada às vésperas da competição. Camila concordou, e afirmou que gostaria de "ajudar de qualquer maneira".
Camila decidiu correr o risco para seguir perto da seleção. Natália ainda se recupera de uma grave lesão na canela que a tirou de combate de toda a última temporada. Apenas há algumas semanas ela voltou a saltar, e não chegou a jogar no Grand Prix. O treinador, no entanto, prefere aguardar até o último instante para ver se poderá contar com uma das atacantes mais talentosas que tem a seu dispor. Além de Natália ou Camila Brait, a seleção terá em Londres as seguintes jogadoras: as levantadoras Fernandinha e Dani Lins, as centrais Adenízia, Fabiana e Thaisa, as opostas Sheilla e Tandara, as ponteiras Jaqueline, Paula Pequeno e Fernanda Garay e a líbero Fabi. Nos últimos dias, além de Sassá, foram cortadas a ponteira Mari, a levantadora Fabíola e a central Juciely.

Brasil vence Argentina e garante lugar na semifinal

Seleção Feminina das Novas RIO DE JANEIRO, 15.07.2012 – A seleção brasileira feminina de novas está na semifinal da Copa Pan-Americana. Neste DOMINGO (15.07), o Brasil venceu o clássico Sul-Americano contra a Argentina por 3 sets a 0 (25/20, 25/17 e 27/25), em 1h21 de jogo, em Ciudad Juarez, no México.
Com o resultado, as brasileiras mantiveram a invencibilidade no torneio (quatro jogos e quatro vitórias). O time verde e amarelo luta pelo quarto título da competição.
A ponteira Gabi e a central Natasha foram as maiores pontuadoras do Brasil na partida, com 12 pontos cada. Pelo lado da Argentina, a atacante Fresco foi quem mais pontuou, com 13.
A central Natasha elogiou o poder de recuperação das brasileiras. “Foi uma partida entre dois bons times. A vitória foi importante, pois pela primeira vez neste campeonato jogamos atrás no placar. A Argentina tem um ataque forte”, analisou a jogadora.
O Brasil jogou com a levantadora Claudinha, a oposto Joycinha, as ponteiras Gabi e Priscila Daroit, as centrais Natasha e Andressa e a líbero Suellen.
Entraram durante o confronto a ponteira Samara, a levantadora Ana Tiemi e a oposto Jú Nogueira.
Na próxima rodada, nesta SEGUNDA-FEIRA (16.07), o time brasileiro enfrentará O México, às 23h (Horário de Brasília).
A equipe verde e amarela está no grupo B ao lado de Costa Rica, Argentina, Peru, México e Trinidad e Tobago.
No grupo A estão República Dominicana, Colômbia, Canadá, Estados Unidos, Cuba e Porto Rico.

11 de jul de 2012

Seleção Feminina de Volei _US_Body Issue_2012

Megan Hodge(foto1
)_Destinee Hooker(foto2)
__Alisha Glass(foto3)
__Em conjunto:. Heather Bown,Alisha Glass,Stacy Sykora,Megan Hodge,Cynthia Barboza(foto3)
____Stacy Sykora(foto4 e 7)
__Hodge,Bown e Hooker(foto5)
__Alisha Glass(foto6) e
Stacy Sykora(foto7)

8 de jul de 2012

UFC 148: Anderson Silva x Chael Sonnen_Veja quem venceu

Anderson Silva x Chael Sonnen Resultado, veja quem venceu - Espanha, 1605. Um cavaleiro conhecido como Don Quixote cruzava o país buscando aventuras heroicas e vitórias impossíveis. Nunca conseguiu. Las Vegas, 2012. Um lutador chamado Chael Sonnen buscava a maior das vitórias, contra um inimigo tão poderoso quanto os moinhos que Quixote, 407 anos antes, ousou enfrentar. Como o personagem da obra-prima de Miguel de Cervantes, Sonnen também descobriu, da pior maneira, que sua missão era impossível. Diante de si havia não um moinho, mas um gigante: Anderson Silva, o brasileiro que, pela 15ª vez seguida venceu no UFC, defendendo seu cinturão de campeão dos pesos-médios pela décima vez consecutiva. Com um nocaute rápido e preciso a 1m35s do segundo round, o brasileiro escreveu com letras de ouro mais um capítulo da sua história. Essa sim, vitoriosa e heroica.
-
Esse esporte é o melhor esporte do mundo. Nós trabalhamos duro por vocês. Nessa luta, eu lutei contra Chael, e ele contra mim. Ele desrespeitou meu país. Mas é isso aí. Um segundo – disse o campeão, ao chamar Chael Sonnen para cumprimentá-lo – Vamos mostrar que o país tem um povo educado. Se você quiser fazer um churrasco lá em casa, eu te cconvido. Vamos lá – disse Anderson diante de um constrangido Chael Sonnen. Sonnen não manteve a postura arrogante e falastrona após a derrota. Olhando para baixo, o americano respondeu secamente a Joe Rogan ao ser perguntado como se sentia após a luta. - Ninguém entrou aqui comigo. Me deram uma oportunidade, e eu agradeço pela chance. Ele me acertou com um bom golpe, e o resto vocês viram. Ele é o campeão – disse Sonnen, claramente decepcionado.
Após a entrevista, Anderson Silva deu uma espécie de volta olímpica no octógono do UFC e recebeu a faixa de campeão da Taça Libertadores da América do Corinthians. -
O coração está bem. Dá pra mais cinco anos nessa adrenalina. Na verdade, ele tem os méritos dele, ele fez bem o jogo dele, de botar para baixo. Mas eu estava sem lesão, e tinha uma responsabilidade de honrar o povo brasileiro. É um esporte e estou feliz de poder dar alegria ao povo brasileiro. Nunca serão, jamais serão. Agora é férias, dar um tempo, cuidar da família e rever os conceitos para ser melhor no dia seguinte. Verás que um filho teu não foge à luta, Brasil! – disse o campeão ao canal Combate.
A luta Antes da luta, como foi prometido pelos atletas, eles não se cumprimentaram no centro do octógono, ao receberem as orientações finais do árbitro Yves Lavigne. O combate começou com Chael Sonnen partindo para encurtar a distância e levando Anderson Silva para o chão. O brasileiro manteve Sonnen na guarda, mas recebia golpes no rosto e nas costelas. Na meia-guarda, o americano acertava o rosto do brasileiro com os cotovelos e com a palma da mão. Mantendo a calma, Anderson seguia com o desafiante na guarda, sem conseguir desvencilhar-se do wrestling do americano. A cerca de um minuto do fim do round, Sonnen conseguiu passar a guarda de Anderson Silva e manteve o brasileiro em desvantagem, sem conseguir reagir ao domínio imposto por Sonnen.
No segundo round, Sonnen novamente encurtou a distância para o brasileiro e travou-o na grade, em pé. Anderson Silva manteve a calma e aproveitou um erro em uma cotovelada rodada do americano, quando Sonnen caiu, e partiu para o ataque. Uma joelhada e uma sequência de socos potentes fizeram Sonnen deitar no solo do octógono, sem reação. O árbitro Yves Lavigne encerrou a luta faltando cerca de dois minutos para o fim do combate, mantendo o título dos médios com o maior de todos. Confira todos os resultados do UFC 148: Anderson Silva venceu Chael Sonnen por nocaute técnico no segundo round Forrest Griffin venceu Tito Ortiz por decisão unânime dos juízes Cung Le venceu Patrick Côté por decisão unânime dos juízes Demian Maia venceu Dong Hyun Kim por nocaute técnico no primeiro round Chad Mendes venceu Cody McKenzie por nocaute no primeiro round Mike Easton venceu Ivan Menjivar por decisão unânime dos juízes Melvin Guillard venceu Fabrício “Morango” Camões por decisão unânime dos juízes Khabib Nurmagomedov venceu Gleison Tibau por decisão unânime dos juízes Costa Philippou venceu Riki Fukuda por decisão unânime dos juízes Shane Roller venceu John Alessio por decisão unânime dos juízes Rafaello Oliveira venceu Yoislandy Izquierdo por decisão unânime dos juízes. Informações do Sportv.

7 de jul de 2012

Sonhar não custa nada -- e o designer italiano Federico Ciccarese leva isso a sério. Depois de desenhar dois aparelhos conceituais (o iPad Mini e o iPhone 5), ele criou esse gadget incrível, espécie de iPhone que pode ser vestido como uma luva. Soco inglês talvez fosse uma comparação mais semelhante, até porque esse conceito vem com garras pontudas _Uol.com.br

Anderson Silva e Sonnen "Falastrão"

6 de jul de 2012

Brasil perde da Polônia, fica fora das finais da Liga e tem pior resultado da Era Bernardinho

Aos poucos, a Polônia assume definitivamente o posto de principal algoz do Brasil no vôlei masculino. A equipe europeia, que já havia vencido a seleção verde-amarela em três dos quatro encontros entre os times na primeira fase da Liga Mundial, voltou a derrotar o Brasil nesta quinta-feira, de virada, por 3 sets a 2 (23-25, 25-23, 23-25, 25-17 e 15-11) e eliminou os brasileiros da competição. A queda nas quartas de final deixou o Brasil em sua pior colocação de campeonato desde que Bernardinho assumiu o comando da equipe, em 2001, e justamente no último torneio preparatório para os Jogos Olímpicos de Londres. Até agora, o quarto lugar na Liga de 2008, também antes da Olimpíada de Pequim, era o recorde negativo do time com o comandante. O resultado ainda repete o que não acontecia desde a Liga de 1998, quando a seleção terminou na quinta posição. Após a derrota de ontem para Cuba por 3 a 0, o Brasil, que já havia feito uma primeira fase bastante instável e se classificou apenas na condição de segundo melhor colocado, precisava obrigatoriamente vencer a Polônia nesta quinta para seguir na briga por uma vaga nas semifinais da Liga. Entretanto, com vários apagões ao longo da partida, os eneacampeões não resistiram ao ímpeto da nova potência europeia, que vai às semifinais e leva junto os cubanos mesmo com uma rodada de antecedência. Para o jogo de hoje, Bernardinho fez duas mudanças em relação à equipe que perdeu para Cuba. Dante deu lugar ao capitão Giba e Sidão, possivelmente com dores, saiu para a entrada de Rodrigão. Bruninho, Leandro Vissotto, Lucão, Murilo e Escadinha completaram a equipe. As alterações, porém, surtiram pouco efeito, apesar da boa atuação de Rodrigão. O equilíbrio visto entre as duas equipes nos três primeiros sets acabou na quarta parcial, depois de um incidente envolvendo Winiarski e Bruninho na rede. O polonês tentou uma bola de xeque e acabou acertando, com a mão, a cabeça do brasileiro. Os ânimos esquentaram, os atletas discutiram na rede, e o time da Polônia se aproveitou da instabilidade emocional do time verde-amarelo para disparar no placar e levar o jogo para o tie-break. No set desempate, os poloneses mantiveram o bom rendimento e viram os jogadores do Brasil se acanharem cada vez mais em quadra. A Polônia fechou com 15-10 e sacramentou a eliminação brasileira. Kurek foi o principal pontuador do jogo com 25 acertos. Leandro Vissotto, apesar de ser bloqueado várias vezes e de ter uma atuação irregular, foi quem mais colocou bolas no chão pelo Brasil: 16.

3 de jul de 2012

Resultado do World GrandPrix de Volei 2012



1°) USA com 14 pontos em 5 jogos,com 5 vitórias e nenhuma derrota.
2°) Brasil com 13 pontos em 5 jogos,com 4 vitórias e 1 derrota.
3°) Turquia com 9 pontos em 5 jogos,com 3 vitórias e 2 derrotas.
4°)Tailândia c/ 5 pontos em 5 jogos com 2 vitórias e 3 derrotas.
5°) China com 4 pontos em 5 jogos com 1 vitórias e 4 derrotas.
6°) Cuba com 0 pontos em 5 jogos com 0 vitórias e 5 derrotas.
div>

2 de jul de 2012

Brasil ganha Fernandinha e Paula Pequeno antes dos jogos em Londres

O técnico José Roberto Guimarães, da seleção feminina de vôlei, declarou diversas vezes que utilizaria o Grand Prix como forma de preparação para os Jogos Olímpicos de Londres, e também para fazer os últimos testes e ajustes finais no elenco. Além do troféu pelo segundo lugar na competição, conquistado no último domingo, a seleção brasileira tem outros motivos para comemorar: "ganhou" uma levantadora, já que Fernandinha entrou na equipe, teve excelente desempenho e parece ter conquistado a vaga de titular, e viu algumas de suas estrelas, como Paula Pequeno e Sheilla, voltarem à boa forma que as consagraram no vôlei mundial. A 26 dias do início da Olimpíada, veja quem "sobe e desce" após a disputa do Grand Prix.