23 de set de 2014

Brasil passa sem sustos pela Bulgária na estreia pelo Mundial de Vôlei


A Bulgária não era bem o adversário que a Seleção gostaria de enfrentar na estreia pelo Campeonato Mundial Feminino de Vôlei. O time europeu tinha armas perigosas, além de um estilo de jogo que não costuma encaixar muito bem com o das brasileiras. Mas as comandadas de José Roberto Guimarães souberam driblar as armadilhas e venceram as búlgaras nesta vterça-feira por 3 sets a 0, com parciais de 25-19, 25-23 e 25-16, em Triste (ITA). O Brasil tenta o título inédito depois de bater na trave em 2006 e 2010.

O próximo compromisso das brasileiras será nesta quarta-feira, às 12h (de Brasília), contra Camarões, pelo Grupo B. A chave conta ainda com Canadá, Sérvia e Turquia.

O Brasil entrou em quadra atento a duas armas da Bulgária. A ponteira Vasileva, que jogou a Superliga 2012/2013 pelo Vôlei Amil, e a oposto Radahzieva. Era preciso anular as bolas altas, apontadas pelo técnico José Roberto Guimarães como uma das situações com os quais a Seleção mais encontra dificuldade. Mas as bicampeãs olímpicas mostraram que têm um conjunto mais consistente, sobretudo no fundo de quadra. Sacando bem, o time verde e amarelo encaminhou a vitória. Ela veio após um saque na rede de Radahzieva.

O time búlgaro voltou confiante. Um ataque para fora de Thaisa deixou o placar em 3 a 0. Logo, porém, veio o empate. O bloqueio brasileiro estava ligado para matar na hora certa os golpes das rivais. Nem quando Jaqueline atacou longe da quadra e deixou a Bulgária em vantagem de 9-8 o grupo se assustou. Novamente, a Seleção se reorganizou graças ao saque e ao bloqueio. Mas a recepção mostrava-se frágil. Zé Roberto se viu obrigado a colocar em quadra a novata Gabi para confundiu as sacadoras búlgaras. Uma pancada de Fabiana no contra-ataque decretou a vitória difícil do Brasil no segundo set por 25-23.

O treinador voltou com o time titular para o terceiro set. Suas comandadas não decepcionaram e abriram 8-3, contando com erros da Bulgária. O jogo ficou mais fácil, mas era bom ninguém se iludir. Radahzieva seguia virando suas bolas. Com Sheilla no saque, o Brasil conseguiu ampliar a folha no placar. Jaqueline roubou a cena no final. Com bons ataques e saques da ponteira, o time abriu ainda mais. E num ataque de Thaisa veio a vitória.

Nenhum comentário:

Postar um comentário