13 de ago de 2012

Londres2012-Russia ganha o ouro de virada no volei masculino

O sonho do tricampeonato olímpico do vôlei masculino foi adiado para o Rio de Janeiro, daqui a quatro anos. Pela segunda vez consecutiva, o Brasil foi à final dos Jogos e acabou derrotado. Desta vez, a equipe de Bernardinho chegou a ter dois match points no terceiro set, sofreu um "apagão" e perdeu de virada para a Rússia por 3 sets a 2 (19-25, 20-25, 29-27, 25-22 e 15-9).
Escadinha chora, se despede da seleção e pede carinho à camisa ao próximo líbero Brasileiros elogiam mudança tática na Rússia, mas admitem: 'perdemos o ouro' A derrota impede que o Brasil conquiste a hegemonia total do esporte em Londres um dia depois do ouro do time feminino. Além disso, impede que a gloriosa geração da era Bernardinho se despeça com um ouro. Desde 2001, quando o técnico assumiu, a seleção ganhou oito Ligas Mundiais, três Mundiais e a Olimpíada de 2004, em Atenas, mas agora amarga sua segunda prata olímpica.
E o título esteve muito perto. O Brasil repetiu o que havia feito na primeira fase e atropelou os russos nos dois primeiros sets. No terceiro, teve duas chances de fechar, mas um "apagão" na hora errada comprometeu o jogo. A Rússia acordou com uma grande mudança do técnico Alekno, que colocou o central Muserskiy para jogar de oposto, venceu o terceiro e o quarto sets e liquidou a partida no tie-break.
Apesar da frustração pela maneira como o jogo se desenhou, a prata é muito mais do que se esperava da equipe antes do início das Olimpíadas. O Brasil que viajou a Londres desacreditado, encontrou seu melhor jogo durante a competição, mostrou muita força ao longo da campanha e encarou de frente seu rival na final. A Rússia, campeã da Copa do Mundo e da Liga Mundial do ano passado, estava longe de ser um rival qualquer.
No início, porém, parecia que o Brasil atropelaria como fez contra Argentina e Itália, nas quartas e na semi, respectivamente. O saque forte e Murilo foram as grandes armas do time no primeiro set contra a Rússia. Além de fazer dois aces, a seleção quebrou o passe rival diversas vezes e atrapalhou a vida do oposto Mikhaylov, grande arma dos europeus, que acertou só três de nove ataques na parcial.
Do outro lado, Murilo sobrava. Ele foi acionado por Bruninho oito vezes, colocou sete bolas e ainda fez um ponto de bloqueio. Com uma vantagem confortável de cinco pontos desde o início do set, o Brasil não teve trabalho para sair na frente com um 25 a 19.
A Rússia voltou melhor no segundo set, distribuindo melhor as bolas e crescendo no saque, mas nada que realmente assustasse o Brasil. A seleção até caiu um pouco na defesa e no aproveitamento defensivo, mas esteve à frente no placar desde o começo, quando abriu 11 a 6.
A reação dos europeus se limitou a reduzir a diferença para um ponto no 16 a 15. Só que Wallace fez o time rodar, Dante foi bem no saque e logo o Brasil fez 19 a 15. A vitória no segundo set foi indolor para a torcida, que já gritava com tom de “campeão” quando a seleção fechou por 25 a 20.
O terceiro set deu uma cara totalmente diferente ao jogo, que finalmente se assemelhou a uma final. O Brasil saiu ganhando por 14 a 11, mas não tardou a levar um susto. Murilo e companhia viram o levantador rival fintar o bloqueio e encaixar três bolas em sequência. O jogo empatou em 15 a 15 quando, em um ponto decisivo, Murilo encarou o paredão russo, colocou a bola no chão e evitou que os europeus passassem à frente.
Foi uma solução momentânea. O Brasil logo fez 18 a 15 e viu a torcida, empolgada, pedir a presença do capitão Giba, que assistia a tudo do banco. Bernardinho, impassível, ignorou. A Rússia, indiferente à festa, seguiu pressionando e empatou em 22 a 22, tornando os pontos finais tensos. Foi Wallace, no 23º ponto, quem colocou o Brasil de novo à frente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário