16 de ago de 2012

Seleção de vôlei chega ao Brasil e comenta desempenho em Londres

A seleção brasileira masculina de vôlei chegou nesta quinta-feira a São Paulo (SP), onde participou de uma entrevista coletiva. O Brasil conquistou a medalha de prata no último domingo, depois de ser superado pela Rússia na decisão por 3 sets a 2.
Foi a terceira final olímpica consecutiva da equipe comanda pelo técnico Bernardinho, que não pôde comparecer à coletiva devido a problemas técnicos com o voo que vinha do Rio de Janeiro (RJ).
Assistente técnico de Bernardinho, Rubinho comentou a participação da seleção nos Jogos Olímpicos. “Conseguimos fazer uma boa fase de preparação para os Jogos Olímpicos. Tivemos uma excelente campanha, com um nível convincente, que findou com a chegada à final.
Nos classificamos bem na primeira fase, passamos por adversários de grande qualidade e fizemos um jogo extremamente disputado na final”, afirmou Rubinho.
A despedida de dois ícones do voleibol brasileiro
Capitão da seleção brasileira masculina nos últimos cinco anos, o ponteiro Giba falou sobre o orgulho de vestir a camisa do Brasil.
- Foi muito bom ter chegado à final olímpica depois de todas as críticas que recebemos na Liga Mundial. Tenho um orgulho muito grande de ter estado ao lado dessas pessoas
jogando a final. Tenho orgulho dessa geração. Somos ouro e duas vezes medalha de prata em Jogos Olímpicos. O convívio com esses nomes, essas pessoas, e seus familiares, é motivo de grande orgulho para mim.
Quero desejar toda a sorte do mundo para o Bruno e o Murilo, que serão os próximos capitães e líderes desse grupo. Eles terão a responsabilidade de manter a seleção no mesmo nível dos últimos 12 anos – disse Giba.
Já Serginho garantiu que levará grandes momentos dos anos de serviços prestados à seleção brasileira.
- Estou feliz. Foram 12 anos de convívio com grandes atletas. Tenho uma história com esse grupo e saio da seleção de cabeça erguida. A minha carreira está acabando. Esse é o momento de preparar uma nova geração de líberos para as próximas Olimpíadas.
Sempre vou estar disposto a vestir a camisa da seleção, jamais irei negar uma convocação, mas espero que só me convoquem em casos de extrema urgência. Agora vou torcer para eles e o que eu levo para o resto da minha é a amizade com essas pessoas – analisou o líbero.
Uma nova liderança na seleção brasileira
Apontado por Giba como um dos novos líderes da seleção masculina, o levantador Bruninho fez questão de ressaltar a importância dessa geração para o voleibol brasileiro.
- Tenho orgulho de ter participado dessa geração durante seis anos. Aprendi demais com esses caras.
Eles são mais do que grandes jogadores, são heróis nacionais. A filosofia, o trabalho, o comprometimento de grandes jogadores vão servir de base para gerações futuras que não terão que começar do zero.
A nossa base bem montada de filosofia e dedicação valoriza a camisa do Brasil. Eles, através de muito suor e sacrifício, colocaram o Brasil em primeiro lugar no ranking mundial. Foram três títulos mundiais, três medalhas olímpicas, duas Copas do Mundo, ou seja, eles ganharam tudo – garantiu Bruninho.
O ponteiro Murilo afirmou que a filosofia vencedora está implantada no trabalho da seleção masculina.
- É difícil pensar em 2013. O fato do Giba ter apontado tanto eu quanto o Bruno como futuros líderes desse grupo, mostra que, ao lado do Dante, nós somos os mais experientes e teremos grande responsabilidade. Teremos que passar essa filosofia implementada pelo Bernardo baseada em muito trabalho e dedicação, que não é muito mistério para manter os resutados desse grupo vitorioso – garantiu o ponteiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário